NOSSO CONTATO: aracagienoticiapb@gmail.com @AracagiNotciaPB

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Vereador William de Bajola denuncia abandono de banheiro público em Araçagi.


Recentemente o Vereador William de Bajola (PRB), visitou o mercado público de Araçagi e ficou perplexo com o abandono do banheiro público daquele local; o mesmo apresenta problemas de infra-estrutura: faltam descargas, iluminação, telhado e piso comprometido, além de portas quebradas e materiais de limpeza precários; havendo no local um tanque de alvenaria sem qualquer cobertura e que conserva água parada, perfeito para o desenvolvimento das larvas do mosquito da dengue.
(FOTO: Local do banheiro demolido)
Vale ressaltar que, este é o único banheiro público da cidade, e que antes havia outro próximo a principal praça da cidade, para ser mais exato, vizinho a casa da filha do prefeito e que foi demolido assim que o atual gestor tomou posse, sem ao menos ter dado alguma explicação à população, vele ressaltar que o banheiro demolido era utilizado diariamente pelos taxistas e moradores da zona rural e visitantes. 

(FOTO: Local do banheiro demolido)





O único banheiro público de Araçagi está situado no mercado da feira livre, e é o mesmo que atende aos feirantes, visitantes e comerciantes em dia de feira mesmo sofrendo com o abandono e a falta de higiene.

De acordo com o parlamentar é uma vergonha para a população ter um espaço público nesta situação. “É lamentável para os visitantes e para a nossa população local e principalmente da zona rural, ser obrigados a utilizar um banheiro em péssimas condições. Isso só reflete o descaso do governo municipal com a sociedade araçagiense”, Resta-nos apelar mais uma vez para o bom senso e para responsabilidade e que a administração pública, encontrem com a maior brevidade possível uma solução definitiva para o problema. Afirmou o Vereador William de Bajola.

Confira algumas imagens:








 




Da redação.

terça-feira, 8 de abril de 2014

Minha Casa, Minha Vida pode vir com computador e internet banda larga

Minha Casa, Minha Vida pode vir com computador e internet banda larga
 O programa Minha Casa, Minha Vida pode envolver ainda mais benefícios para quem for contemplado se os senadores aprovarem o Projeto de Lei 204/2013. A proposta pretende incluir um computador, internet banda larga e uma biblioteca com 20 livros nas moradias entregues pelo programa.

O projeto, de autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), deve ser votado nesta terça-feira (8) pela CCT (Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática). Enquanto isso, a presidente Dilma Rouseff segue entregando unidades de moradia pelo programa

De acordo com o senador, o programa do governo federal falha ao não incentivar o avanço pessoal e profissional, pois não oferece acesso à informação para as famílias que são beneficiadas com moradia.

Para justificar a proposta, Cristovam Buarque apresentou números e estatísticas que revelam que somente 95 milhões de brasileiros são leitores, sendo que só 1,2 livro é comprado por habitante/ano.

A proposta explica que os livros disponibilizados nas bibliotecas de cada casa seriam selecionados pelos planos municipal, estadual ou nacional do livro e da leitura.

Por mais que pareça óbvio, o senador JUSTIFICOU a necessidade de computador e conexão banda larga apontando que o Brasil está na 72ª posição no ranking mundial de inclusão digital, que envolve 156 países.

Outro dado usado por Cristovam para justificar sua proposta foi um levantamento do IBGE que mostra que 104,7 milhões de brasileiros não têm acesso a computadores.

A relatora da proposta, senadora Ângela Portela (PT-ES), é favorável ao projeto e defende o projeto com o seguinte dado da FGV (Fundação Getúlio Vargas): 90% das residências da classe A têm computador e internet, enquanto somente 2,5% das casas da classe E têm a aparelhagem.

A CE (Comissão de Educação, Cultura e Esporte) e a CDR (Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo) do Senado também vão analisar a proposta antes de que ela seja encaminhada ao plenário.

iniciado em 2009, o programa Minha Casa, Minha Vida deve completar um total 2,75 milhões de casas e apartamentos entregues até o fim do ano, nas contas do governo

R7

Apto para o embate, Cássio rebate críticas de Vené, mas evita polêmicas: “Não tenho que ficar batendo boca”

Apto para o embate, Cássio rebate críticas de Vené, mas evita polêmicas: “Não tenho que ficar batendo boca”
DESDOBRAMENTOS - O senador Cássio Cunha Lima rebateu as declarações feitas pelo também pré-candidato ao Governo, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) e mostrou que está pronto para o embate eleitoral desse ano.

A uma emissora de rádio de João Pessoa, Veneziano teria dito achar estranho o ‘racha’ entre Cássio e Ricardo Coutinho (PSB), apenas nas vésperas das eleições estaduais.

“É muito estranho esse rompimento apenas agora. Depois de três anos e meio que ele vem enxergar o que está errado? Quem quiser engolir que engula. Tenho certeza de que nós, somos a distinção entre aqueles que são irmãos siameses” alfinetou Vené.

Por sua vez, Cássio disse não ter que ficar “batendo boca” e respondendo ao que Veneziano diz, até porque, segundo ele, até pouco tempo PMDB e PSDB estavam juntos, ao que se comfirma que partidos selam e desfazem alianças de acordo com a necessidade.

“A pouco tempo PMDB e PSDB estavam juntos, Ricardo já esteve do mesmo lado que Veneziano, mas chega um momento que cada partido deseja lançar sua candidatura” declarou o senador.

Cássio ainda finalizou dizendo que é “bobagem” estarem dizendo que ele vê problemas na gestão de Ricardo Coutinho apenas agora, pós-rompimento, pois ele admite sem nenhum problema as qualidades do atual governo.

“Eu tenho certeza que eu terei espaço para mostrar que a Paraíba não foi descoberta hoje, que todo governador faz obra, bobagem passar a ideia que há uma nova Paraíba descoberta nos últimos 3 anos” disse.

Thatiane Sonally


PB Agora

TST condena Unimed-JP a pagar R$ 50 mil por recusar atestado médico de funcionário

TST condena Unimed-JP a pagar R$ 50 mil por recusar atestado médico de funcionário
A Unimed João Pessoa Cooperativa de Trabalho Médico terá que pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais, ao funcionário Maurício Pereira da Silva, pelo fato de ter se recusado a aceitar um atestado médico de 45 dias. A decisão da desembargadora paraibana Ana Maria Ferreira Madruga, do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, foi mantida pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) no dia 12 do mês passado e na última sexta-feira, dia 4 de abril, os autos do processo Nº TST-AIRR-117400-612011.5.3.002 foram remetidos para o TRT da Paraíba após transitado e julgado, para a execução da pena.
A ministra do TST, Kátia Magalhães Arruda concluiu que Maurício Pereira da Silva passou por situação angustiante, sem a percepção dos salários, embora sem condições físicas para comparecer ao trabalho. "Indiscutivelmente houve uma falha da empresa, que se configura como abuso do poder diretivo, pelo empregado", afirma a ministra em sua decisão, ao negar provimento ao Agravo de Instrumento impetrado no Superior Tribunal do Trabalho pela Unimed.
Ao acatar a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região imposta pela desembargadora paraibana Ana Maria Ferreira Madruga, a ministra do TST, Kátia Magalhães Arruda afirmou que a importância dos R$ 50 mil de indenização por danos morais atende aos fins desejados, de reprimir a conduta ilícita, bem como de desencorajar a reincidência, além de proporcionar, de certa forma, alguma compensação material pelo abalo psíquico que não pode ser avaliado com precisão. "Na fixação do montante da indenização por dano moral, aplicam-se os critérios da Justiça e equidade, os quais foram observados no caso concreto. Assim, não há violação dos dispositivos legais e constitucionais invocados pela reclamada", diz um dos trechos do Acordão do TST, assinado pela ministra.
Dos fatos
Em 3 de outubro 2011, o servidor da Unimed Maurício Pereira da Silva, que havia sido contratado dm 2 de maio de 2006, apresentou à direção da empresa, um atestado de 45 dias expedido por um especialista em ortopedia, para tratamento fisioterapêutico e medicamentoso. A Unimed, por sua vez, se negou a receber o documento e também não forneceu o formulário indispensável à obtenção do benefício previdenciário correspondente.
A partir do dia 17 de outubro de 2011, o servidor deixou de comparecer ao trabalho para seguir as recomendações médicas. Após 10 dias de afastamento, foi convocado a retornar ao trabalho, no prazo de 24 horas, sob pena de caracterização de abandono de emprego, além de sofrer assédio moral e outros tipos de perseguição. Em razão disso, no dia 28 do mesmo mês, ajuizou reclamação trabalhista. O juiz da 2ª Vara do Trabalho de João Pessoa extinguiu o processo e condenou o servidor a pagar os honorários advocatícios da empresa.
Inconformado, Maurício Pereira recorreu ao Pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região. A desembargadora Relatora Ana Maria Ferreira Madruga acatou o recurso do trabalhador e condenou a Unimed a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais. Em sua decisão, a desembargadora disse que a responsabilidade da Unimed se dá não em razão da não aceitação do atestado médico de 45 dias, mas em faze das condutas da empresa que se mostraram injustas, desnecessárias e despropositadas, refletindo, negativamente, na vida profissional e pessoal do empregado, comprovadamente molestado.
O autor da ação se recusou a falar sobre a decisão do Tribunal Superior do Trabalho - TST pelo fato de se encontrar ainda muito abalado com as perseguições sofridas. Em sua residência, nenhum parente quis comentar sobre o ocorrido, resumindo-se apenas em dizer que Maurício Pereira da Silva teve muitas sequelas com os acontecimentos.
Prorrata
Conforme apurado pela reportagem, a Unimed João Pessoa Cooperativa de Trabalho Médico reponde a mais de 1.800 ações trabalhistas no Estado. Alguns funcionários do órgão, que pediram para não terem seus nomes divulgados, disseram que algumas condenações estão sendo quitadas  pelos próprios médicos da cooperativa, no que eles chamam de "Prorrata", que, trocando em miúdos significa "retirada da produtividade dos médicos para pagamento". Isto, no entanto, vem revoltando alguns médicos da cooperativa.

Efraim formaliza apoio a Ricardo na sexta, mas deputados ficam com Cássiotulo da postagem

O ex-senador Efraim Morais deve formalizar na próxima sexta-feira (11) seu apoio ao governador Ricardo Coutinho. Mesmo assim, os demais integrantes do DEM estão liberados para apoiar a candidatura de Cássio Cunha Lima. Dessa forma, uma parte dos deputados devem ficar do lado do ex-governador.

Efraim chegou a afirmar que seu rompimento com Ricardo não passaria de especulação. As informações começaram a circular na mídia com a publicação do Diário Oficial da última Sexta-Feira (3) onde não constavam nomes de aliados ao ex-senador. Morais desmentiu a informação dizendo que não houve nenhuma indicação e por isso nenhuma nomeação era esperada.

O ex-senador deixa a Secretaria de Infraestrutura do estado nesta semana.

Da Redação
WSCOM Online

Duas prefeituras da Paraíba lançam editais de concurso com 129 vagas

Duas prefeituras da Paraíba lançam editais de concurso com 129 vagas
Duas prefeituras da Paraíba lançaram editais de concursos públicos, somando 129 vagas abertas em Nova Floresta e Baraúna. Os salários oferecidos variam entre R$ 724 e R$ 2,5 mil e em ambas as inscrições começam na quinta-feira (10) e seguem abertas até 15 de maio, podendo ser feitas pela internet, no site da empresa realizadora dos dois concursos. Veja os detalhes.


Em Nova Floresta, no Curimataú paraibano, as 85 vagas oferecem oportunidades para todos os níveis de escolaridade, com salários que chegam a R$ 1,6 mil com possibilidade de gratificação.
As taxas de inscrição são de R$ 70 para os cargos de nível fundamental incompleto, R$ 80 para os cargos de nível médio e R$ 95 para os cargos de nível superior. A prova escrita objetiva será realizada no dia 8 de junho e a divulgação do resultado final será no dia 23 de junho.
Veja detalhes.
Para os cargos de nível fundamental incompleto, estão sendo oferecidas vagas para auxiliar de serviços gerais, coveiro, gari, monitor, motorista, operador de máquinas pesadas, pedreiro e servente de pedreiro. Já para os cargos de nível médio, estão sendo oferecidas vagas para agente administrativo, agente comunitário de saúde, agente de endemias, agente fiscal de tributos, técnico agrícola, técnico em higiene bucal, técnico em enfermagem, técnico em informática, técnico em segurança do trabalho e técnico em vigilância da saúde.
Para os cargos de nível superior, as vagas são para assistente social, bioquímico, engenheiro civil, enfermeiro PSF, enfermeiro do trabalho, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, médico PSF, médico do trabalho, médico plantonista, nutricionista, odontólogo, preparador físico e psicólogo.
 Já em Baraúna, no Seridó paraibano, são 44 vagas para os níveis fundamental incompleto e superior, com salários que variam entre R$ 724 e R$ 2,5 mil. As taxas de inscrição variam de R$ 70 a R$ 95. A realização da prova escrita objetiva está prevista para o dia 8 de junho e o resultado final será divulgado na data provável de 12 de agosto.
Veja detalhes.
O concurso será realizado em uma única fase, de caráter eliminatório e classificatório, com prova escrita objetiva, exceto para os cargos de professor polivalente B, professor de ciências e professor de português, cujo concurso contará ainda com uma segunda fase, de titulação e experiência profissional, de caráter classificatório.
Para os cargos de nível fundamental incompleto, estão sendo oferecidas sete vagas para auxiliar de serviços gerais, uma vaga para coveiro, uma vaga para eletricista e sete vagas para motorista de transporte escolar. Já para os cargos de nível médio, estão sendo oferecidas quatro vagas para auxiliar administrativo, uma vaga para auditor de obras e serviços, quatro vagas para facilitador de programas sociais, uma vaga para maestro de música, uma vaga para técnico de saúde do trabalhador, três vagas para técnico de enfermagem, duas vagas para técnico em higiene dental e uma vaga para técnico em informática.
Para os cargos de nível superior, por sua vez, estão sendo oferecidas vagas para professor polivalente B, professor de ciências, professor de português, assistente social, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, médico (clínico geral), nutricionista, odontólogo e psicólogo.

Política e Eventos Arara

quarta-feira, 26 de março de 2014

Vereador Antonio Flor denuncia escuridão no cemitério de Araçagi e cobra providências da prefeitura



(FOTO: Vereador Antonio Flor de camisa branca)
Através de uma denúncia apresentada no plenário da Câmara Municipal de Araçagi, na sessão do último dia 25 de março, o Vereador Antonio Flor do PRB, denunciou que o cemitério público “São Sebastião” encontra-se sem condições de realizar sepultamentos ou qualquer outro ato, no período noturno, em virtude da falta de iluminação no local.

Ainda segundo o vereador, ele mesmo presenciou o fato, ao participar de um enterro à noite, quando foi necessária a utilização de velas para iluminar o local.

 “Pedimos à prefeitura que solucione imediatamente esse problema, para evitar que caso seja preciso sepultar uma pessoa já no início da noite, a gente não volte a constatar o que eu mesmo pude ver e que o poder executivo faça de forma rápida a reposição de lâmpadas nos bairros e rua de Araçagi”, cobrou o vereador.

Da redação.

MPF apura demora no tratamento de câncer

Francisco França
Ministério Público investiga se municípios estão cumprindo a legislação, garantindo o acesso ao tratamento
Os pacientes diagnosticados com câncer na Paraíba estão sofrendo com a demora para iniciar o tratamento da doença na rede pública. Os municípios podem estar em desacordo com a legislação e o prazo de 60 dias, assegurado pela Lei 12.732/2012, para a primeira consulta e exames ambulatoriais.
Para apurar o problema, o Ministério Público Federal (MPF) já solicitou às Secretarias Municipais de João Pessoa e Campina Grande, onde estão os hospitais de referência no tratamento do câncer, o acompanhamento dos casos nessas duas cidades.
Sem poder esperar por muito tempo por uma consulta com especialista ou fazer o exame para o diagnóstico da doença, muitos pacientes tiram do próprio bolso os recursos para garantir o início do tratamento. A dona de casa Izabel Souza, de 66 anos, há oito meses mobiliza toda a família e amigos para dar continuidade ao tratamento de um câncer de mama.
Emocionada, ela revela que se não fosse o apoio dessas pessoas não teria como arcar com os custos de cerca de R$1.500 por mês, entre exames e consultas particulares.
“A minha primeira consulta com a médica foi particular, porque se eu fosse esperar pela marcação do PSF demoraria mais de três meses e o meu caso é grave. Desses oito meses para cá, tudo meu foi pago. Até a biópsia e os exames que faço depois da cirurgia”, disse a aposentada.
Pelo mesmo drama passa o agricultor João Carlos da Silva, que em cerca de um ano de peregrinação entre consultas particulares em João Pessoa, exames e medicação, gastou mais de R$3 mil. Ele conta que as consultas com especialistas no PSF de Araçagi, na Região do Agreste, demoravam e que somente há dois meses conseguiu fazer uma biópsia, custeada por ele, em que foi diagnosticado com câncer de próstata.
“Quando eu fui marcar esse exame pelo Sistema Único de Saúde (SUS), me disseram no posto que só tinha vaga lá para junho e eu não posso esperar”, conta o agricultor.
Casos como os de Izabel e João Carlos chamaram a atenção do MPF e no último dia 14 o órgão solicitou à Secretaria Estadual de Saúde (SES) e às secretarias municipais da capital e de Campina Grande um relatório de fiscalização dos hospitais Napoleão Laureano e São Vicente de Paulo, na capital, Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) e Universitário Alcides Carneiro (HUAC), em Campina, indicando a situação de alimentação do Sistema de Informação de Câncer (Siscan).
O órgão federal quer saber dados sobre o prazo gasto para realização de exames anatomopatológicos e efetivo início do tratamento oncológico (quimioterapia, radioterapia e cirurgia).
O procurador Guilherme Ferraz alertou que a Lei nº 12.732/2012 entrou em vigor em maio do ano passado e, desde o tempo transcorrido, as Secretarias de Saúde ainda não se organizaram suficientemente para garantir a eficácia da norma, quanto a permitir a rapidez no atendimento, ou seja, respeitar-se o prazo dos 60 dias, contados do diagnóstico, para o início do tratamento dos pacientes com câncer.
TRATAMENTO COMEÇA EM 28 DIAS NO LAUREANO
Tanto Izabel quanto João Carlos procuraram o Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa. Todos os dias, a instituição recebe pacientes de toda a Paraíba e também dos estados de Pernambuco e Rio Grande do Norte. De acordo com o diretor clínico do hospital, Fernando Carvalho, pelo menos 75% dos pacientes diagnosticados com câncer na Paraíba são encaminhados para o hospital, onde são realizadas cerca de 60 consultas diariamente.
O diretor admite que a demanda de pacientes supera a capacidade de atendimento oferecido no Napoleão Laureano. Contudo, ele lembra que os pacientes diagnosticados com câncer começam o tratamento em torno de 28 dias, a partir da emissão da biópsia.
“A Lei dos 60 dias se inicia a partir do resultado do exame hematopatológico (biópsia). Nós do hospital estamos com o sistema de controle muito rígido, toda vez que é emitido um laudo hematopatológico positivo. Mas, o volume de pacientes ainda é maior que a nossa capacidade de atendimento e a marcação de consulta, dependendo da especialidade, demora um pouco, como as cirurgias de mama ou de cabeça e pescoço”, explicou Fernando Carvalho.
Ainda segundo o diretor, a demora no encaminhamento dos pacientes se deve ao sistema de marcação nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos municípios. “A demora é dos pacientes chegarem aqui. Mas aqui no hospital, o paciente faz a biópsia e em menos de 30 dias é encaminhado para o médico e faz o tratamento”, disse.

Veneziano diz que PMDB e PT “deram um passo largo” para coligação no 1º turno, após encontro


Veneziano diz que PMDB e PT “deram um passo  largo” para coligação no 1º turno, após encontro

 O pré-candidato a Governador da Paraíba nas Eleições 2014, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) reafirmou nesta quarta-feira (26) que PMDB e PT deram “um passo bastante largo” para a formalização de uma coligação com os dois partidos já no primeiro turno, após o encontro que manteve ontem com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT). Segundo Veneziano, a conversa com Cartaxo foi “aberta e objetiva”. Ele lembrou que, há cerca de 30 dias, um grupo de lideranças petistas já havia se pronunciado peça coligação unindo os dois partidos já no primeiro turno, inclusive com a indicação do Superintendente da CBTU, Lucélio Cartaxo (PT) para compor a chapa majoritária, como candidato ao Senado. “O PT já havia manifestado essa vontade, em documento subscrito por diversas lideranças petistas”. Na conversa, Veneziano disse que reafirmou a Luciano a sua opinião de respeito ao PT, pela indicação da advogada Nadja Palitot (PT) como pré-candidata ao Governo do Estado, mas que não poderia, da mesma forma, deixar de vislumbrar a possibilidade de união PMDB-PT já no primeiro turno. “Sempre pontuei a liberdade de qualquer legenda de apresentar nomes, como o PT, que apresentou o da minha amiga Nadja Palitot, pessoa respeitada, que milita na advocacia”. Eles falaram ainda sobre o desejo de lideranças petistas, na Paraíba e também nacionalmente, de ver as duas siglas unidas, em torno de um projeto único, favorecendo a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). “Também falamos sobre esse desejo nacional do PT em ter um palanque forte na Paraíba”. Veneziano disse que, no encontro entre ele e Cartaxo, ficou acordado que se houver a possibilidade de união dos dois partidos já no primeiro turno, que ela ocorra de forma natural, sem imposições. “Se houver conveniência e possibilidade, esse esforço estará sendo feito, mas de maneira absolutamente natural. Jamais estaremos trabalhando por meio de imposições, porque quando isso acontece, fica complicado”. O pré-candidato peemedebista lembrou que o PT discutirá a proposta para tomar a decisão final no próximo dia 12 de abril e que, até lá, também manterá contato com outras legendas, para que o projeto seja fortalecido. “Ficaremos na expectativa. Se der certo, ótimo. Estou torcendo e vendo com bons olhos esta possibilidade de união já no primeiro turno. Enquanto isso, manteremos contatos com outras legendas para reforçar o conjunto da oposição”. 
 Redação com assessoria

Operação em Patos identifica envolvidos em tráfico de drogas e assassinatos


Presos foram levados para a Delegacia de Patos (Crédito: Mais Patos)
Uma festa universitária ocorrida em novembro do ano passado deu início a uma operação da Secretaria de Administração Penitenciária, com apoio das Polícias Civil e Militar para desvendar o tráfico de drogas e prática de homicídios na região de Patos.
“Comprou a droga e não pagou, morre”, disse o delegado Cristiano Jaques, que comandou a operação. Segundo ele, pelo menos sete pessoas foram assassinadas nos últimos meses naquela região por dívida com o tráfico de droga.
Na operação batizada de “Zumbi” desencadeada na manhã desta quarta-feira, 26, foram cumpridos 22 mandados de prisão expedidos pela Justiça, após investigação sobre crimes naquela região, que teriam a participação de detentos do Presídio Romero da Nóbrega, em Patos.
Segundo o delegado Jaques, o tráfico de droga também tinha ramificação com presos da Cadeia de Jequié, na Bahia, onde também foram identificados envolvidos com as mortes ocorridas em Patos.
Para investigar a ação dos detentos do Presídio Romero da Nóbrega a Secretaria de Administração Penitenciária, por meio da Gerencia de Inteligência, instalou câmeras de segurança e escutas telefônicas autorizadas pela Justiça que monitoraram os presos.
Um dos detentos do Romero Nóbrega chegou a ser flagrado fabricando armas artesanais que seriam usadas para assassinar presos dentro do complexo penitenciário. O secretário Wallber Virgolino, de Administração Penitenciária, informou que o detento foi identificado e transferido para o isolado.
Houve também a identificação de presos do Complexo Penitenciário de Jacarapé, em João Pessoa, também envolvidos com o tráfico de droga e assassinatos em Patos.
Cardoso Filho
WSCOM Online